Assim como as luvas e os óculos de proteção, o capacete é um equipamento básico de segurança, que deve ser utilizado sempre que você for pedalar. Porém, diferentes modalidades do ciclismo podem exigir capacetes com características de desenho e proteção variadas.

Veja a seguir tudo o que você precisa saber para escolher corretamente o capacete para o seu estilo de pedalada.

 

Modalidades

Confira abaixo as características gerais dos capacetes para diferentes modalidades do ciclismo.

Urbano – Um capacete de uso urbano pode ter um desenho mais despojado, pois o desempenho não é seu foco. Muitos deles tem palas dianteiras e, em alguns casos, existem suportes para a fixação de iluminação. Muitos deles também oferecem uma extensão na proteção na parte da nuca e menos entradas de ar.

Estrada – Por conta da vantagem aerodinâmica e da posição da cabeça, capacetes de estrada não possuem viseira. Até porque, como o corpo fica mais paralelo ao chão, a visão ficaria bem prejudicada por ela. O capacete de estrada deve ser ventilado, aerodinâmico e leve – tudo para manter o desempenho elevado.

XC Competitivo – Um capacete de XC deve ser leve e bem ventilado, para manter a cabeça do atleta refrescada mesmo quando o esforço for elevado. Na maioria dos casos, capacetes exclusivamente de XC não possuem viseira ou usam uma viseira pequena. Além disso, a proteção na parte posterior costuma ser um pouco menor. Em muitas ocasiões, o piloto de XC acaba optando por um capacete de estrada, até pela posição mais baixa de pilotagem.

Capacete aero – Normalmente utilizado em provas de contra-relógio, o capacete aero é mais rápido do que um convencional, mas sua baixa ventilação prejudica seu uso por períodos prolongados. Além disso, eles devem estar corretamente posicionados no vento para realmente serem mais rápidos.

XC agressivo / Trail / All-Moutain – Muitos capacetes modernos oferecem viseiras maiores e um prolongamento bem grande na base do crânio, oferecendo muito mais proteção em casos de tombos. Isso pode até comprometer um pouco o peso, mas a dose extra de proteção vale a pena em situações mais extremas.

Enduro / Downhill – Nestas modalidades, o capacete fechado (ou full face) é obrigatório. Afinal, o risco de levar um tombo e cair de cara é relativamente alto. No enduro, é comum o competidor utilizar um capacete aberto nas subidas e um fechado nas descidas. Além disso, alguns capacetes possuem a queixeira removível, o que facilita muito a logística por não forçar o ciclista a carregar 2 capacetes o tempo inteiro.

Tamanhos

A primeira coisa que você deve saber é que capacetes tem tamanhos para acomodar diferentes ciclistas. Via de regra, eles estão disponíveis por gradações como P, M e G. Porém, o tamanho correto do capacete pode variar de acordo com a marca e com o modelo.

Na maioria das vezes, se você usa um capacete M, vai acabar se sentindo melhor com modelos desta medida, mas pode acontecer de você se sentir muito bem com um P ou um G. Por isso, o ideal é sempre provar o capacete antes de comprar.

Atualmente, a maioria dos capacetes de bike tem um sistema de retenção, que pode ser ajustado por um botão giratório ou outro mecanismo. É interessante que, no modelo escolhido, essa regulagem não fique nem no máximo e nem no mínimo.

Para facilitar o processo de escolhas, muitas marcas possuem um sistema de medição, com tabelas que relacionam o diâmetro do crânio com o tamanho do capacete – procure pela informação no site do fabricante.

No fim do texto, confira a tabela de indicação de tamanho dos capacetes Lazer.

Formato

Apesar deste tipo de tabela ajudar bastante, ela não é 100% infalível. Isso porque, pessoas possuem formatos de cabeças diferentes, o que pode impactar na escolha do tamanho do capacete. Pessoas de origem asiática, por exemplo, costumam ter a cabeça mais arredondada.

Isso quer dizer que, em alguns casos, embora o diâmetro da cabeça seja o mesmo, as vezes é preciso optar por um modelo maior ou menor. Em algumas situações extremas, as vezes convém optar por outro modelo que tenha um formato interno mais parecido com o “shape” do seu crânio.

 

Selos de segurança

Todos os capacetes de bicicleta vendidos no Brasil, obrigatoriamente, devem ter o selo do INMETRO. O mesmo é válido para muitos outros países, com cada um deles requerendo um determinado selo de aprovação. Em geral, os testes de aprovação envolvem uma avaliação completa do capacete, medindo sua capacidade de absorver impactos e a resistência das tiras.

Um dos mais conhecidos e respeitados é o selo da norte-americana Snell ou o da britânica British Standards Institution (BSI), que pode ser identificada por um logotipo com as letras CE. Seja como for, se o capacete não tiver nenhum selo de aprovação em seu interior, desconfie.

 

Sistema de retenção

Como citado acima, muitos capacetes possuem um sistema de retenção, que vai além das tradicionais tiras com presilha abaixo do queixo. Normalmente, estes sistemas podem ser ajustados para apertar ou soltar a cabeça por meio de um botão giratório. Além disso, alguns modelos oferecem a opção de ajustar a altura deste sistema adicional de retenção.

Vale destacar que esse sistema NUNCA deve ser usado de forma isolada, isso quer dizer sem as tiras e presilhas presas e bem ajustadas. Na verdade, eles servem apenas para estabilizar o capacete na cabeça, ajudando a mantê-lo no lugar, mesmo em terrenos esburacados ou em caso de tombos.

 

MIPS

O MIPS, ou  Multi-directional Impact Protection System é um sistema que melhora a proteção do capacete em caso de impacto não lineares. Um impacto deste tipo acontece quando a cabeça bate no chão em ângulo, o que cria uma força de rotação na cabeça.

Essa força faz com que o cérebro rotacione em altas velocidades dentro do crânio, sendo responsável por uma grande parte das lesões cerebrais em acidentes de bicicleta.

O MIPS é feito com uma armação interna de plástico que permite que o capacete rotacione em caso de pancadas em ângulo, absorvendo uma parte do impacto. Via de regra, um capacete com MIPS é mais seguro do que um sem a tecnologia.

Por ser uma empresa independente, capacetes de marcas diferentes podem ser equipados com MIPS.

Veja também

Devo usar meias de compressão para pedalar?

O uso de meias de compressão é um assunto bastante polêmico no ciclismo. Isso porque, apesar da ciência nem sempre corroborar com a afirmação dos fabricantes destes tipo de acessório, muitos ciclistas […]

Veja mais

As tecnologias e diferenças das roupas de ciclismo

Assim como qualquer tipo de atividade física, o ciclismo fica melhor quando utilizamos a roupa correta. Isso quer dizer que, embora uma bermuda e uma camiseta ventilada já sejam muito melhores para […]

Veja mais

Como arrumar furo em pneu tubeless?

Seja na estrada ou na trilha, os pneus sem câmara oferecem diversas vantagens no desempenho. Na hora de arrumar os furos, porém, eles pedem alguns cuidados especiais. Confira mais detalhes no texto […]

Veja mais